Rio Paiva, o mais belo rio de Portugal

“Afluente principal da margem esquerda do Douro, nascido na serra de Leomil, é um rio típico de montanha. Corre quase sempre no fundo de desfiladeiros de vertentes abruptas; no entanto, nas suas margens formam-se, por vezes, praias fluviais (Paradinha, Areinho, Janarde, Meitriz, Vau e Espiunca). As suas águas são das menos poluídas da Europa e as suas margens estão, em alguns locais, cobertas de uma vegetação rica e pouco degradada. O escoamento anual médio é de 696 hm3. Tem dez bacias elementares e a área da bacia é de 795,185 km2.”

In Infopédia. Porto: Porto Editora, 2003-2010.

O rio Paiva situa-se no centro-norte de Portugal continental e está incluído em território da Rede Natura 2000, correspondendo ao Sítio de Interesse Comunitário (SIC) Rio Paiva. Com aproximadamente 110 km de extensão, o Paiva nasce no planalto da Nave, na Serra de Leomil, no concelho de Moimenta da Beira a cerca de 1 000 m de altitude e desagua em Castelo de Paiva, na margem esquerda do rio Douro.

O SIC Rio Paiva corresponde a uma área de 14 562 ha e abrange, ainda que parcialmente, os concelhos Arouca, Castelo de Paiva, Castro Daire, Cinfães, Moimenta de Beira, São Pedro do Sul, Sátão, Sernancelhe, Vila Nova de Paiva e Viseu.

Apresenta uma elevada diversidade de espécies, habitats e ecossistemas, alguns dos quais considerados prioritários a nível europeu.

O SIC Rio Paiva exibe em quase toda a sua extensão uma vegetação ripícola relativamente bem conservada, com bosques de amieiros (Alnus glutinosa) e freixos (Fraxinus excelsior) formando galeria, frequentemente ladeada por carvalhais de carvalho-alvarinho (Quercus robur) fragmentários. A diversidade florística é considerável e assinala-se a ocorrência de Narcissus bulbocodium, Narcissus triandrus, Ruscus aculeatus e Anarrhinum longipedicellatum (endemismo lusitano) – espécies com medidas de protecção a nível europeu.

O SIC Rio Paiva apresenta uma fauna muito rica e variada e destaca-se a presença de espécies com medidas de protecção e conservação a nível europeu como a toupeira-de-água (Galemys pyrenaicus), a lontra (Lutra lutra), o lagarto-de-água (Lacerta schreiberi), a salamandra-lusitânica (Chioglossa lusitânica), a rã-ibérica (Rana iberica) e o tritão-marmorado (Triturus marmoratus). Merecem ainda destaque a presença de algumas espécies piscícolas endémicas, como a boga (Chondrostoma polylepis), e a ocorrência de uma das raras populações de mexilhão-do-rio (Margaritifera margaritifera).

Estão também presentes mamíferos como a raposa (Vulpes vulpes), o ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus), o javali (Sus scrofa) e o coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus). No caso do lobo (Canis lupus), constitui uma importante zona de passagem entre as Serras de Montemuro, Freita/Arada e Lapa/Leomil.

No Sítio Rio Paiva estão presentes habitats naturais e semi-naturais constantes do anexo B-I do DL n.º 49/2005 (decreto que transpõe as Directivas Aves e Habitats para a legislação nacional), dos quais alguns são habitats prioritários.

Ricardo Pinto (Biólogo) – S.O.S. Rio Paiva

O Rio Paiva nasce na aldeia de Carapito em Moimenta da Beira e desagua no Rio Douro no Lugar do Castelo em Castelo de Paiva, local assinalado pela famosa ilha dos amores.

Alguns dos seus afluentes principais são:

RIO ARDENA

Nasce no lugar de Noninha (vertente sul da Serra de Montemuro), freguesia de Alvarenga (Arouca), com uma extensão de cerca de 13 quilómetros. Atravessa a freguesia de Nespereira (Cinfães), e desagua em Espiunca (Arouca).

RIO CÔVO

Também conhecido por Rio Touro, nasce na Serra da Nave, atravessa os lugares de Touro, Adomingueiros e Vila Cova à Coelheira, e desagua na margem direita do Rio Paiva no lugar de Covelo de Paiva.

RIO PAIVÔ

O “Rio Paivô (Arouca) a que alguns chamam de “Rio Paivó” nasce na Serra da Arada, desaguando na margem esquerda do rio Paiva, a jusante da aldeia da Paradinha (Arouca).

RIO DE FRADES

O Rio de Frades nasce na Serra da Freita, a 1097 metros de altitude, no concelho de Arouca, desaguando no rio Paivô.

RIO MAU

O Rio Mau tem 12 quilómetros de extensão. Nasce junto ao santuário da Senhora da Piedade em Pendilhe, no concelho de Vila Nova de Paiva. Desagua no rio Paiva, na aldeia da Granja pertencente ao concelho de Castro Daire, no lugar de Várzea de Moinhos.

RIO SONSO

O rio Sonso nasce a 1340 metros de altitude no lugar da Faifa, na Serra de Montemuro, e desagua na margem direita do Rio Paiva no concelho de Castro Daire.

RIO TEIXEIRA

O rio Teixeira nasce a 1350 metros de altitude na Serra de Montemuro, e desagua no Rio Paiva no lugar de Pinheiro (Castro Daire).

RIO TENENTE

O rio Tenente nasce no lugar de Sobreda, na Serra de Montemuro, e desagua na margem direita do Rio Paiva, no lugar de Lodeiro, freguesia de Cabril (Castro Daire).

RIO VIDOEIRO

O rio Vidoeiro, também conhecido por rio Pombeiro, nasce na aldeia do Mezio do concelho de Castro Daire, na Serra de Montemuro. Desagua ma margem direita do Rio Paiva, junto à Ponte da Ermida (Castro Daire).

RIBEIRO DA CARVALHOSA

Nasce no lugar de Aguilhões da Carvalhosa, Serra de Montemuro. Desagua no Rio Vidoeiro no lugar da Quinta do Marado, junto à Ponte da Ermida (Castro Daire)

RIO PAIVÓ

O rio Paivó, nasce na Lameira do Padre a norte da aldeia de Relva. Passa junto a esta povoação, bem como no sítio da Louçã, Farejinhas e desagua no rio Paiva a montante da Ponte Pedrinha (Castro Daire).

RIO PAIVA RAFTING
rio paiva castro daire
rio paiva ponte pedrinha
plantar autoctone rio paiva

MAPA DO RIO PAIVA

  18 comments for “Rio Paiva, o mais belo rio de Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.