Rio Paiva fica sem barragem

12 de Fevereiro de 2004

Jornal Terras do Vale do Sousa

A empresa ” Águas do Douro e Paiva “, entidade responsável pelo sistema multimunicipal de abastecimento de água a 19 municípios da Região Norte, confirmou o abandono da ideia de construir uma barragem no Rio Paiva e deu a conhecer a vontade de desenvolver projectos para a captação de água no Rio Tâmega, junto à barragem do Torrão, constituindo assim, e em definitivo, uma origem hídrica alternativa ao Douro. A decisão foi tomada, por unanimidade, em Assembleia Geral de Accionistas, que também serviu para aprovar a participação da ” Águas Douro e Paiva ” na futura empresa gestora do Sistema Multimunicipal de Saneamento do Grande Porto, á qual aderiram 14 municípios, entre eles Castelo de Paiva. O projecto da captação de água no Tâmega representa um investimento de 122 milhões de euros e implica a construção de estações de tratamento de águas residuais e de um túnel de adução ao longo da margem esquerda, numa extensão de 30 km, entre a Estação de Tratamento de Água, em Lever, e a Barragem do Torrão, no concelho de Marco de Canaveses. Segundo foi dado a conhecer, o túnel atravessará o rio para a outra margem, e será construído de forma a que, no futuro, seja possível uma fácil ligação ao Rio Paiva, que passa a ser assumido pela empresa como uma reserva estratégica no plano de abastecimento de água. A realização das captações no Tâmega vai obrigar, no entanto, a um cuidado processo de regeneração deste rio, concretamente ao nível do saneamento das águas residuais, de forma a assegurar a qualidade da água para a distribuição e posterior consumo público. Com a origem alternativa situada no Tâmega coloca-se um ponto final no propósito da empresa avançar com uma grande barragem no Rio Paiva, localizada na Ponte da Bateira ( entre Travanca – Cinfães e Bairros – Castelo de Paiva ), uma solução que chegou a estar equacionada, mas que recolheu alguma contestação por organizações ambientalistas. Este era um desafio que se colocava á ADP, que com esta decisão fica mais capacitada responder a imponderáveis que ponham em causa a qualidade da água da sua fonte de captação no Douro, um rio navegável e com uma bacia hidrográfica que se estende a Espanha. Relativamente á criação do Sistema Multimunicipal de Saneamento, o presidente Paulo Teixeira, que preside à Assembleia Geral da empresa, não deixou de evidenciar um reparo sobre a falta de solidariedade dos municípios do Porto, Gaia, Matosinhos e Valongo, que votaram contra a proposta, insistindo que os pequenos concelhos do interior deveriam merecer mais apoio neste e em outros investimentos. A decisão para a criação desta empresa regional de tratamento dos esgotos, em alta, está agora nas mãos do Ministro do Ambiente, Amílcar Theias, que em breve publicará o decreto homologando a empresa.
in TVS

rio paiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.