Novos focos de poluição em Castro Daire

D.R.

sepna-gnr-rio-paiva-castro-daire

O Comando Territorial de Viseu do Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR informou a Associação S.O.S. Rio Paiva da emissão de dois autos de Contra Ordenação em Castro Daire, por falta de licença de rejeição de águas residuais na Zona Industrial de Ouvida, naquele concelho.

A Zona Industrial de Ouvida fica situada na bacia hidrográfica do Rio Paiva, junto ao Rio Paivô (afluente do Paiva), e foi alvo de uma inspecção por parte dos Serviços do SEPNA no passado dia 16 de Abril. A inspecção das autoridades detectou a falta de titulo/licença de rejeição de águas residuais numa Pedreira a operar naquela unidade industrial, e na Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) propriedade da Câmara Municipal. Recorde-se que não é a primeira vez que o SEPNA actua no concelho de Castro Daire na procura de focos de poluição da bacia do Rio Paiva. As autoridades já tinham instruído em 2011 um processo de Contra Ordenação à Câmara de Castro Daire por não possuir a licença de rejeição de águas residuais da ETAR da Ponte Pedrinha. Em 2013 o Ministério do Ambiente informava que o pedido de licença de descarga de águas residuais apresentado pela Câmara, se encontrava suspenso porque “os resultados da qualidade do efluente tratado ainda não eram satisfatórios”, confirmando a poluição do Rio Paiva com origem nesta infra-estrutura. Já este ano a Câmara Municipal apresentou o projecto de construção da nova ETAR, que vai substituir a velha estação da Ponte Pedrinha considerada “obsoleta e sub-dimensionada” pelos próprios responsáveis autárquicos na sessão de apresentação que contou com a presença do Secretário de Estado do Ambiente.

As deficiências de funcionamento do tratamento de águas residuais já levaram a Comissão Europeia a avançar com um processo em tribunal contra Portugal por aplicação incorreta da Directiva Tratamento de Águas Residuais Urbanas. Castro Daire é um dos municípios portugueses que está em incumprimento desta Directiva, conforme foi sublinhado pelo Secretário de Estado do Ambiente na recente visita ao concelho. A Comissão requer a aplicação de uma coima no montante de 4 458 828 euros e de uma sanção pecuniária diária de 20 196 euros a Portugal, até ser dado pleno cumprimento à referida obrigação.

Os autos de Contra Ordenação agora aplicados na Zona Industrial de Ouvida, Castro Daire, foram remetidos pela GNR para a Agência Portuguesa do Ambiente – Administração da Região Hidrográfica do Norte para instrução dos respectivos processos.

Artigos relacionados:

  3 comments for “Novos focos de poluição em Castro Daire

  1. luis soares
    20 Junho, 2015 at 5:24

    Boa noite, no dia 19 deste mês de Junho 2015 passei na praia da Lomba e os salva-vidas disseram que não podiamos ir à agua (DOURO) porque havia salmonela. Então lembrei-me de ir um pouco mais longe, a Espiunca no rio Paiva, e devo dizer que a água tinha um cheiro a agua choca parecia que acabaram de descarregaram os esgotos.

    Eu pergunto: porquê estamos a estragar o ultimo rio que era supostamente o mais puro da Europa?

    Porque não se actua com mais força sobre os poluidores?

    Não foi há muito tempo, era eu criança e até podia beber directamente do rio, e agora que levei os filhos deu pena e revolta porque deixamos que algumas bestas, que pela ganancia e falta de respeito pelo próximo nos fazem isto.

    È pá…vamos acabar com isto já!

    Cumprimentos e força.

    • Pedro Nunes
      3 Julho, 2015 at 1:02

      De facto é revoltante. Hoje passei nessa zona e, embora não houvesse cheiros, notava-se uma poluição assinalável na água, poluição essa que notava-se bastante nas zonas de correntes paradas. Convido-o a ir a Arcos de Valdevez e fazer proveito das águas do Vez. Talvez seja um dos menos poluídos atualmente.

    • 8 Agosto, 2015 at 0:12

      Infelizmente ainda ocorrem descargas poluentes pontuais no Rio Paiva, situação que consideramos inaceitável. Estamos a fazer todos os nossos esforços com a colaboração de todos – populações ribeirinhas, autarquias e autoridades policiais – para pôr termo a estas situações. É uma tarefa difícil mas não podemos desistir nem deixar de acreditar que mais cedo ou mais tarde vamos conseguir.
      Cumprimentos,
      S.O.S. Rio Paiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *