Quem somos?

Visão

S.O.S. Rio Paiva é uma organização não governamental de âmbito regional de referência na preservação, defesa e regeneração do Vale do Paiva – seus cursos de água, florestas, habitats, património cultural e suas gentes.

Missão

A S.O.S. Rio Paiva pretende educar, sensibilizar e consciencializar, incentivando posturas e medidas ecocêntricas em harmonia com a Natureza, suas leis e ciclos.
Pretendemos:

Manter um olhar atento sobre o Vale do Paiva, alertando e contribuindo para a resolução de problemas que ponham em causa o seu equilíbrio e prejudiquem a sustentabilidade do seu território;

Ter um papel interventivo, agindo e participando em iniciativas que estejam de acordo com a nossa visão;

Estimular a cooperação entre os diversos intervenientes presentes no território promovendo a harmonia entre a actividade humana e a preservação do meio ambiente;

Contribuir para a salvaguarda do rio Paiva como Sítio de Importância Comunitária da Rede Natura 2000.


A S.O.S. Rio Paiva – Associação de Defesa do Vale do Paiva é uma organização não-governamental de âmbito regional que surgiu em 1999 com a finalidade de inverter a destruição de um dos mais belos rio de Portugal, considerado um dos menos poluídos da Europa. A nossa área de intervenção abrange toda a bacia do rio Paiva, nomeadamente os concelhos de Castelo de Paiva, Cinfães, Arouca, Castro Daire, S. Pedro do Sul, Viseu, Vila Nova de Paiva, Sátão, Sernancelhe e Moimenta da Beira.

No final da década de 90, um grupo de cidadãos do concelho de Castelo de Paiva, decidiu juntar-se para contestar o projecto de construção de uma barragem no vale do Paiva, da responsabilidade da empresa Águas do Douro e Paiva, dando origem a um movimento cívico denominado S.O.S. Rio Paiva que rapidamente juntou um número muito alargado de cidadãos dos vários concelhos ribeirinhos.

A inviabilização deste mega-projecto constituíu uma importante vitória para todos os que se mobilizaram em defesa deste importante recurso natural, mas não afastou definitivamente as ameaças ao equilíbrio ecológico do vale do rio Paiva nem fez abrandar a despovoamento das comunidades ribeirinhas e os problemas sociais da região.

Conscientes desta realidade decidimos dar continuidade ao movimento criado no final da década de 90 criando uma vasta rede de contactos entre vários cidadãos dos diferentes concelhos do vale do Paiva, cruzando desta forma informações e conhecimentos que nos permitiram identificar uma série de ameaças que consideramos preocupantes e a realização de diversas actividades.

A associação S.O.S. Rio Paiva tem ainda como objectivo encontrar soluções de promoção do Rio Paiva não só como um importante valor ecológico a preservar, mas também toda a componente social e cultural associada às localidades ribeirinhas e aos modos de vida comunitários e sustentáveis que pretendemos ver preservados e valorizados.

Entre as nossas principais preocupações estão:

– A poluição das águas do Paiva e seus afluentes;

– A construção de infra-estruturas nas margens;

– A destruição da galeria ripícola;

– A plantação de monoculturas (principalmente de eucalipto)

– Os fogos florestais;

– A desertificação humana.

Para assegurar a gestão sustentável deste importante espaço natural defendemos:

– A identificação e eliminação dos principais focos de poluição (ETAR e pecuárias);

– A definição dos espaços destinados ao lazer e prática balnear;

– A criação de zonas de protecção para as espécies mais vulneráveis e ameaçadas;

– A eliminação das espécies infestantes e reflorestação das margens;

Perante o surgimento de vários projectos de âmbito turístico para as margens do Rio Paiva sem que sejam resolvidos em primeiro lugar os problemas de poluição e a a introdução de medidas de protecção das espécies, a S.O.S. Rio Paiva lançou em Março de 2008 um Manifesto alertando as autarquias para os riscos de um desenvolvimento insustentável que pode colocar em risco a conservação do património natural do vale do Paiva.

crime1999

Manifesto SOS Rio Paiva (Março de 2008)

Somos um grupo de cidadãos mobilizados de forma simples e humilde, empenhados na defesa e preservação do vale do Rio Paiva, classificado como um Sítio de Importância Comunitária (S.I.C.) da Rede Natura 2000, e que abrange os concelhos de Castelo de Paiva, Cinfães, Arouca, Castro Daire, S. Pedro do Sul, Vila Nova de Paiva, Satão, Sernancelhe e Moimenta da Beira.
Os subscritores deste Manifesto lançam um grito de alerta para a necessidade urgente da preservação dos habitats do bacia hidrográfica do rio Paiva, para que todo este Património possa ser entregue aos vindouros em bom estado de conservação (este é aliás, o principal objectivo da Directiva Quadro Àgua em Portugal).

Exigimos que as entidades competentes adoptem medidas de preservação e salvaguarda dos seus valores paisagísticos, culturais e ambientais para travar o abandono a que este vasto Património tem sido votado, criando condições para a preservação dos modos de vida tradicionais, associados à agricultura familiar.

Defendemos a promoção de uma relação harmoniosa e sustentada entre o homem e o rio Paiva e seus afluentes, com respeito pela riqueza cultural e natural deste grandioso vale, encaixado entre as serras de Leomil, Montemuro e Freita, onde podem ser encontradas várias espécies raras, algumas das quais em vias de extinção e protegidas por Convenções Internacionais.

Por tudo isto entendemos que é urgente adoptar medidas de preservação, seguindo as orientações de gestão do Plano Sectorial da Rede Natura 2000 para o Rio Paiva, das quais destacamos:

Condicionar intervenções nas margens e leito de linhas de água;
– Promover a regeneração natural;
– Monitorizar, manter / melhorar qualidade da água;
– Definir zonas de protecção para as espécies;
– Estabelecer programas de repovoamento / reintrodução de espécies;
– Condicionar a construção de infra-estruturas;
– Conservar / recuperar vegetação ribeirinha autóctone;
– Impedir introdução de espécies não autóctones /controlar existentes;
– Conservar / recuperar povoamentos florestais autóctones;
– Reduzir risco de incêndio;
– Condicionar captação de água;
– Interditar circulação de viaturas fora dos caminhos estabelecidos;
– Ordenar a prática de desportos da natureza;

Até que estas medidas de conservação sejam aplicadas, apelamos ao Governo Português que inviabilize todos os projectos de âmbito turístico e industrial para o vale do Paiva (Hoteis, Pousadas, Indústrias Agro-Pecuárias, Açudes, Barragens, Mini-Hídricas, etc…), uma vez que actualmente a pressão exercida pelo homem neste frágil ecossistema é já bastante grande.Esta pressão reflete-se na qualidade da água do Paiva, que ainda há pouco tempo era considerado o rio mais limpo da Europa, mas que nos últimos anos se tem vindo a degradar, ao ponto de no Verão algumas praias fluviais estarem interditas a banhos.
Apelamos ainda à sensibilidade das Autarquias Locais e à sua importância na defesa/preservação do vale do Paiva como S.I.C. da Rede Natura 2000, sugerindo que em parceria com o Instituto de Conservação da Natureza adoptem algumas medidas para travar a sua degradação, nomeadamente:

  • A recuperação de caminhos para passeios pedestres, em detrimento do acesso de veículos motorizados às margens do Rio, que provocam a destruição das margens e da vegetação.

  • A proibição da plantação de monoculturas no vale do Paiva (nomeadamente do eucalipto), promovendo a reflorestação com espécies autoctones evitando assim a degradação ambiental que é bem visível em toda a região.

  • A fiscalização e denúncia dos responsáveis por todo o tipo de intervenções na área classificada como Rede Natura, e por descargas poluentes no Rio Paiva e seus afluentes.Apelamos, por último, à mobilização dos cidadãos para a participação cívica, na defesa e valorização do património cultural e natural, convidando outras pessoas a caminharem connosco em algo muito grande que se chama Rio Paiva e em algo maior que se chama Planeta Terra.

  3 comments for “Quem somos?

  1. Maria Freitas
    24 Agosto, 2015 at 11:49

    Gosto do vosso empenho e do vosso trabalho, que beneficia a todos “quase”.
    Em frente que é hora de luta…vós aí e eu aqui com o rio Ave !

  2. manuel miranda
    23 Setembro, 2015 at 13:59

    Quero desejar que nunca nem ninguém esqueça que o nosso querido rio Paiva deve ser sempre preservado de todas as maldades que o ser humano, mesmo inadvertidamente, lhe possa causar. Felicito todos quantos lutam e trabalham para que o rio Paiva, onde aprendi a nadar em 1964, se mantenha como um dos mais limpos de Portugal. O rio é lindo, de inverno é bravo mas de verão é um tranquilizante para quem nele se refugia. Muita saúde para o rio Paiva é o meu desejo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *